quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Desistir

Desistir em meio ao bombardeio de citações cuja felicidade é o tema parece ser algo improvável, hoje mais do que nunca, falou-se tanto em determinação, perseverança, metas, sonhos. Fica até difícil falar em desistir, quando se tem um exercito dizendo que isto não é possível.

Mas desistir para mim é a opção mais viável quando a realidade vem a tona. Depois de tantas promessas fugazes de começo de ano, os dias e as semanas passam e elas continuam sendo apenas promessas. E o tempo já começa a te provar que isso ou aquilo é passado, e como o tempo passa, não é?

Os meses se tornam anos, e a procrastinação vai se tornando um hábito e com o hábito aqueles planos vão perdendo o brilho, até mesmo quando um novo ano nasce.

E depois de algumas primaveras, o tempo vai clareando sua mente, e mostrando a dura realidade da vida de uma pessoa comum, que nem todos os planos são viáveis, nem todos os sonhos são possíveis. E que a melhor saída, é desacreditar que aquele meio seria o melhor meio para buscar a tão preciosa e almejada felicidade, pois a correria é tanta que nem vemos o tempo passar, dias, semanas e meses loucamente vividos em busca de projeções falsas de nosso subconsciente ( ou fruto do desejo de outra pessoa, quem sabe? ).

Mas ainda sim, após tanta reflexão e conclusão, ainda temos que lidar com os julgamentos externos, ouvir que tudo é possível, que somos capazes de alcançar até o desejo mais intimo.

Meu caro, acredite, nem sempre desejar nos traz sentimentos bons, as vezes acontence o contrário, passamos a nos consumir por dentro em prol da realização de um desejo, que muitas vezes sabemos mas não admitimos a nós mesmos, são irreais e claro, impossíveis.

Desistir é a saída mais sábia para alguns de nossos sofrimentos.
Desistir não é algo feio, é sensatez.
Saber quando perdemos, ou melhor, quando nunca vamos ganhar também faz parte desse ciclo chamado vida.


Não foi fácil para mim desistir do que achei por tanto tempo ser o melhor para mim, mas assim que pude computar o que era mesmo necessário e o que era perca de tempo e esforço, foi absolutamente libertador.