terça-feira, 18 de março de 2014

Se Você Fosse ...

Todos os dias usamos frases que podem mudar completamente nosso humor. E pode mudar também o enredo da nossa vida. Se abençoamos abençoado estamos, se julgamos julgado estaremos. É regra!

Não quero usar o clichê de " leis universais " ou " leis divinas " pois você tem isso decorado em sua mente mas dizer que sabe não significa saber.

 Então estamos conscientes de muitas de nossas escolhas e, quando não refletimos sobre essas escolhas, vai se tornando automático. Que pode te fazer ficar no estado em que está por muito tempo.

Mas somos seres humanos. Querendo ou não somos mutáveis e muitas das vezes somos obrigados a fazer escolhas que não vão de acordo com o que achamos certo. Um bom exemplo são as nossas leis constitucionais, no caso brasileiras, quanto a criminalidade. Não concordamos mas o que podemos fazer se não basta 1 ou 2 pessoas mas sim a nação inteira querer e FAZER a mudança ou as mudanças necessárias?!

Ou quando estamos gostando de alguém mas que só isto não bastaria, mas também este alguém nos querer? Entendeu? Nem sempre é como queremos, então mudamos ou aceitamos a condição.

Minha vida mudou muito nos últimos anos, mais precisamente depois de uns 4 anos para cá. Por mais que eu acreditasse num velho conceito meu, as coisas não iam como eu planejava. E percebi que era pelo simples fato de fazer sempre as mesmas coisas, e consequentemente agir como eu dizia.

Por muitas vezes acreditei nas pessoas, e por muitas vezes me senti iludida por elas, demorou muito para aprender a não culpa-las mas responsabilizei como eu sentia em relação a isso.

Não tinha uma foto decente para esta postarem :) deixei a da minha filha mesmo.


E passei a perceber que usava uma espécie de " mantra " mas que não me ajudava em nada.
Esse " mantra " me estagnava em relação as pessoas, em relação a relacionamentos ( familiar, interpessoal, amoroso ). 

A partir do momento que tomei consciência disso, fui mudando a forma como olhava, aceitava e recebia.
O mantra é dizer " SE VOCÊ (NÃO) FOSSE ... " dai você que lê pode me perguntar: Fernanda, mas você disse em relação a tudo!? E eu te respondo que SIM, essa frase pode fazer milagres ou trazer desgraça na sua vida.

Geralmente usamos essa frase para acusar alguém, porque é tendencioso as pessoas colocarem a culpa nos outros, mas existem também aquelas pessoas que se culpam, usando a mesma frase.

Se você não fosse tão estúpido.
Se você não fosse tão cabeça dura.
Se você não fosse alto, baixo, gordo, magro, chato, legal, azul, amarelo, solteiro, velho, casado, etc.

São infinitas possibilidades que usamos para acusar ou referir a si mesmo. E muitas das vezes para o lado negativo.
Para que nos bloqueie que tomemos uma iniciativa diferente daquela que escolhemos sempre.

O " se " é que mais tem força em nossas vidas. O " se " pode ser para mais ou para menos, o " se " nos da a possibilidade de pensar numa nova possibilidade assim como pode nos limitar.

Se eu fizer isso, aquilo vai acontecer.
Se eu não fizer isso ...
Se eu quisesse ...
Se você quisesse ...

O " você " é a direção que tomamos, ele pode ser tanto para si mesmo quanto pode ser para se referir a alguém. 

Mas alerto, quem escolhe mudar não é os outros em relação ao que você pensa sobre eles, mas sim você mesmo, que pode mudar em relação aos outros.

" Fosse " um verbo que indica uma escolha que poderia ser diferente caso você quisesse ou caso você imaginasse que poderia ser.
 Funciona como o gatilho, quando acusamos alguém, jogamos para ele a responsabilidade de nossas escolhas e não das escolhas deles. Por exemplo:

Você espera que seu amigo fosse pontual mas sempre se atrasa. Logo o acusa de irresponsável. E tão logo diz a ele: se você não fosse tão irresponsável!
Mas o que esta acusação mudaria na vida dele? ... Nada.

Mas você está consciente de que ele não é pontual, então por que insistir com isto?

Agora, quando se está ciente que poucas serão as mudanças dos outros em relação a suas vidas, que tal então você ser responsável pela suas escolhas e pela sua vida?!
Dai vem o " fosse " para si culpar. Quando caímos em si nos culpamos mas não precisamos permanecer nesse estado por muito tempo, ele serve como o gatilho da mudança ( geralmente para melhor ). 

Se você não fosse relapso? Você seria mais responsável :)
Se você não fosse incrédulo? Você teria mais esperança :)
Se você não fosse teimoso? Você aceitaria novas possibilidade, opiniões, etc.
Se você  fosse ... 

É uma nova visão de possibilidades que temos para mudar aquilo que está engessado em nós.

E não adianta argumentar em usar esse " mantra " para mudar os outros, isso não funciona, nunca funcionou.

Por isso, foi a partir do ponto que parei de usar essa frase para as outras pessoas que passei a vivenciar novas experiências em minha vida. 
Aceitei os outros como são e passei a me aceitar mais. E sei ainda que as relações que tenho com as pessoas hoje, são baseadas nas escolhas passadas que fiz em relação a essa frase.
Mudei meu ponto de vista. E foi bom pra mim. 

Escrevi esse texto porque vi situações em que me disseram:
- Fulano disse pra mim que se eu não fosse ( assim ou assado ) o fulano estaria comigo. 
Será? 

As pessoas tem muito disso. Jogar a responsabilidade de suas escolhas nos outros. E sinceramente, se eu continuasse pensando como a pessoa que pensou assim, com plena certeza que hoje eu não estaria tão satisfeita como estou agora. Estranho? Não, simplesmente estou aberta a novas possibilidades.

Alias, posso estar escrevendo para poucos ou para ninguém, mas idai? Isso realmente importa? Para quem? Para mim obvio.

Até a próxima e reflita sobre o que leu.

2 comentários:

  1. Acho que a consciência humana foi um erro trágico na evolução. Nos tornamos

    muito autoconscientes. A natureza criou um aspecto seu separado de si. Não

    deveríamos existir pela lei natural. Somos coisas que operam sob a ilusão

    de ter um eu-próprio, essa acreção de experiência sensorial, e fomos

    programados para pensar que somos alguém quando, na verdade, todos são

    ninguém. A coisa mais honrável para nossa espécie é negar nossa

    programação. Parar de se reproduzir. Caminhar, de mãos dadas, até a

    extinção, uma última meia-noite, irmãos e irmãs deixando tudo para trás. O

    bem comum deve inventar contos de fadas e isso não é bom para ninguém. Se

    alguém se mantém decente por esperar recompensa divina, então ele é muito

    otário, e gosto de expor quantos eu puder. É preciso se juntar a outros e

    contar histórias que violam as leis do universo só para suportar um dia? As

    pessoas têm tanto medo, que preferem jogar dinheiro em uma fonte de desejos

    do que comprar comida.

    Todos temos o que chamo de armadilha da vida. Uma certeza genética de que

    tudo vai ser diferente. De que vai mudar de cidade e conhecer seus futuros

    eternos amigos. De que vai se apaixonar e se sentir completo. Completude e

    encerramento, o que quer que sejam, são recipientes vazios para suportar

    essa cagada de que nada é completado até o momento final, o encerramento.

    Não, não. Nada acaba. A falácia ontológica de esperar uma luz no fim do

    túnel é o que o pastor garante, assim como o psiquiatra. O pastor encoraja

    sua capacidade de se iludir. Então ele fala que é uma virtude. Sempre

    esperando uma recompensa. E o egoísmo é tão grande, não é? 'Certamente,

    isso tudo é para mim'. 'Eu'. 'Eu. Eu. Eu'. 'Eu sou muito importante. Sou
    importante, não?

    Pessoas que não culpam a si geralmente são felizes. Todos expõem o que desejam e do que têm medo.

    ResponderExcluir
  2. Visão é significado. Significado é história. Não guardo rancor. Eu acredito que essa merda dá câncer. Quinta-feira é um dos meus dias de folga. Nos meus dias de folga, começo a beber ao meio-dia. Não quero ser interrompido.
    Acho que a consciência humana foi um erro trágico na evolução. Nos tornamos muito autoconscientes. A natureza criou um aspecto seu separado de si. Não deveríamos existir pela lei natural. Somos coisas que operam sob a ilusão de ter um eu-próprio, essa acreção de experiência sensorial, e fomos programados para pensar que somos alguém quando, na verdade, todos são ninguém. A coisa mais honrável para nossa espécie é negar nossa programação. Parar de se reproduzir. Caminhar, de mãos dadas, até a extinção, uma última meia-noite, irmãos e irmãs deixando tudo para trás.
    O bem comum deve inventar contos de fadas e isso não é bom para ninguém. Se alguém se mantém decente por esperar recompensa divina, então ele é muito otário, e gosto de expor quantos eu puder. É preciso se juntar a outros e contar histórias que violam as leis do universo só para suportar um dia? Antropologistas linguistas acreditam que a religião é uma língua-vírus, que refaz caminhos no cérebro e entorpece o pensamento crítico. É assim desde que macaco disse ao outro: 'ele mandou você me dar sua metade'. As pessoas têm tanto medo, que preferem jogar dinheiro em uma fonte de desejos do que comprar comida.
    Todos temos o que chamo de armadilha da vida. Uma certeza genética de que tudo vai ser diferente. De que vai mudar de cidade e conhecer seus futuros eternos amigos. De que vai se apaixonar e se sentir completo. Completude e encerramento, o que quer que sejam, são recipientes vazios para suportar essa cagada de que nada é completado até o momento final, o encerramento. Não, não. Nada acaba.
    A falácia ontológica de esperar uma luz no fim do túnel é o que o pastor garante, assim como o psiquiatra. O pastor encoraja sua capacidade de se iludir. Então ele fala que é uma virtude. Sempre esperando uma recompensa. E o egoísmo é tão grande, não é? 'Certamente, isso tudo é para mim'. 'Eu'. 'Eu. Eu. Eu'. 'Eu sou muito importante. Sou importante, não?
    Pessoas que não culpam a si geralmente são felizes. Todos expõem o que desejam e do que têm medo.

    ResponderExcluir