segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Não é como você Sabe, e sim como você diz Saber


Talvez seja o excesso de confiança, ou falta dela.
O que motiva você a estar onde está, é como você está agindo sobre sua vida.
Eu sempre soube disso, mas sempre soube também que saber nunca foi o suficiente. Saber é pouco, muito é fazer o que sabe e deve ser feito.
Você pode ter um nível excepcional de inteligência, ser considerado culto, mas de nada adiantará tanta sabedoria se não sabe passar para quem tem pouca ou quase nada.
De nada valerá também se opor ao ponto de vista de alguém, se sua intenção é ganhar méritos por estar certo, porque creio que, o que é certo para você, pode estar errado para o outro.
Impor seus conhecimentos a todo custo, é estar sendo opressor.
E de que adiantará tanto esforço, se ao invés dos outros o verem com orgulho, o verá como um arrogante.
Mas para que motivo querer ser orgulhar de algo que saiba ou faça, por meio da contemplação alheia, se você mesmo diz que não é preciso provar nada a ninguém.
O fato de se sentir bem consigo mesmo já não é o suficiente?
E por que então impor suas verdades?
A troca de informações é sempre bem vinda, pois o que para você é rotineiro, para outro pode ser algo novo. Por isso, não descarte a idéia de que logo, precisará da aprovação do outro para inflar seu ego, por se achar superior ou mais sabido.
Ainda sobre exceder e



Só mais um desabafo.

Talvez uma coisa que faça os intelectuais de plantão remexer o esqueleto ao ouvir um erro de português (pois só os consagrados escritores chacoalham dentro da tumba) é que eles baseiam seu histórico de ensino, disponibilidade, dedicação e o essencial, apoio dos pais, com quem não teve nem metade do que acabei de dizer.
Poderia elencar da seguinte forma: apoio dos pais, dedicação, disponibilidade.
E vamos lá, um a um.

Que me perdoe meus pais, mas não cresci num ambiente onde o ensino era estimulado. Minha mãe foi professora de português, sempre muito ocupada, me ‘’ doava ‘’ livros com resposta – que feio! Mas é verdade.
Como ela não tinha tempo para me ensinar, o único jeito era entregar em mãos o que seria mais tarde meu maior pesadelo, principalmente em matemática.
Com a falta de apoio em casa, fui sentindo ao longo das series que completava, uma enorme dificuldade em pegar assuntos mais complicados. Resultado: notas baixas em todas as áreas de calculo.

Daí vem a dedicação, se você cresce em um ambiente onde não existe apoio
(mesmo que tenha faltado oportunidade para surgir apoio), como poderá se dedicar?
Eu tenho uma PUTA INVEJA de autodidatas, geralmente essas pessoas encontraram sozinhas a força que lhes faltaram em casa, criaram dentro de si, uma enorme usina de força de vontade, movendo-se para a realização pessoal com ou sem auxilio de outras pessoas para a concretização de objetivos.

Ainda falando em ambiente familiar, a família é a base, você aprende a ver o mundo por meio das autoridades da qual você conviveu, se você me questionar que morou em orfanato, lá também, terá a autoridade responsável pelos seus primeiros conhecimentos sobre o mundo.
Eu tenho por mim que sem apoio, a dedicação será formada por outros meios, autoridade, repressão, chantagem. Isso não é legal.

A disponibilidade já é uma conseqüência do modo como você vê a solução dos seus problemas, se te falta tempo, você não estará disponível, se te sobra tempo, você estará disponível; A dedicação virá se a sua bagagem emocional não for lotada de sentimentos de obrigação e opressão vindas do passado, por autoridades que lhe forçava ser excepcional sem auxilio deles.

Ou seja, estudar é complexo.
Exigir estudo, ou uma interpretação sofisticada dos outros também.

São tantos os fatores que faz uma sociedade estar nesta condição – diz –se doente de conhecimento, que inferiorizar quem não sabe o que você sabe é um ato de arrogância. Até porque, conversar com alguém que faz de uma conversa simples se tornar pesada só para provar para seu ego que sabe mais, ou teve mais recursos de estudo, dá nojo.

Às vezes procuro pensar que a pessoa que faz isso, quer apenas provar para ela mesma que aprendeu direitinho o que o professor querido ensinou, as vezes, penso que é falta de humildade, misturada com vaidade, e exibicionismo. Tentar entender, talvez seja um dos motivos que me faz passar tanta raiva, porque não posso e não quero culpar ninguém por serem irritantes, pois posso estar sendo considerada do mesmo modo.
Como não posso impor, pois estaria no mesmo patamar dos cultcholas de plantão, escrevo. Pelo menos aqui, apesar de não ser o local para se ter razão de alguma coisa, mas é o melhor local de debater sobre idéias.
Antes de tudo, ser agradável e legal, não significa mudar o vocabulário, rebaixar intelectualmente ou fingir que não sabe sobre diversas coisas, mas sim, saber colocar seu conhecimento de modo que não faça o outro se sentir inferior.

O texto vai ficar incompleto, acho que irei falar mais disto em outro post. 

9 comentários:

  1. É isso ai.
    Nao adianta dizer que sabemos,apenas saber nao faz as coisas acontecer. é preciso fazer com que realmente aconteca.
    As vezes fico me perguntando:"Porque sei o que tem que ser feito, mas nao o fasso?"

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Nanda! Como sempre ótimo suas Publicacoes :D

    ResponderExcluir
  3. Belo texto Nanda. Como sempre mandando mto bem...sabe como gosto dos seus textos (apesar de não comentar todos). mas só pra complementar o texto, acho digna a celebre frase deste celebre video já antigo: http://www.youtube.com/watch?v=XnvY--H9eKs (o qual achei digno complementá-la para o assunto do texto).

    "Perdão, mas não falo com Bandeirantes, só pq sei mais que você"..kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk' putz, sabia que eu fui ver aquele vídeo hoje! Nunca vi na integra. Obrigada Allan *--*
      E relaxa quando a comentários, o importante é que sei, que ao saber que pessoas como você interprete meus textos bem, é o que me dá animo de melhorar minha escrita =)

      Excluir
    2. eu fico lisonjeado com suas belas palavras, Nanda!

      disponha sempre de qualquer coisa!

      Excluir
  4. Adorei esse texto, muito bom, venho lendo seu blog, e digo, ele não é falido, se quiser tirar isso, pode tirar. XD
    Tem razão em dizer, o que colocou no título da postagem, pois realmente hoje, se vê essa arrogância de um querer dominar o outro, se sobrepor a realidade do outro, confundindo realidade com verdade.
    Então como o Eduardo disse "Parabéns Nanda!".

    ResponderExcluir
  5. *--* Vinicius!
    Direto acompanho teu blog.
    Acho que já notou que compartilho muito de suas postagens, obrigada e 'podeXÁ' vou mudar a significativa do blog falido para blog em desenvolvimento ;)

    ResponderExcluir
  6. quanto à disponibilidade de tempo, se você nao for organizado, de nada adiantará sobrar tempo se nao se souber usa-lo, por ausencia de um objetivo ou de um foco.

    quem transforma uma conversa simples em algo pesado para provar que sabe mais o faz por insegurança, por medo de ser sobrepujada em qualquer discussao ou debate que seja. É gente que apenas decora o que os professores lhes disseram, sem se perguntar se isso vale alguma coisa ou nao. E essas pessoas nunca sabem como colocar seus conhecimentos de modo que não façam seus interlocutores se sentirem inferiores. Geralmente são professores de artes, filósofos, escritores, intelectuais em geral (e especialmente os ligados à área da pesquisa em educação). São pessoas que nao compreendem que a realidade é o que é e de quebra creem que o mundo tem que ser como elas querem e que, ainda por cima, serao um 'motor de transformaçao do mundo', sendo que nunca saem das suas salas e escritorios. Resumindo: gente 'muito inflada', só que sem conteudo nenhum dentro de suas mentes. O que adianta 'estudar' tanto, ter pos-graduaçoes e mestrados, e nao passar de alguem que nao compreende o mundo e tem pouco a dizer?

    ResponderExcluir