segunda-feira, 14 de maio de 2012

Do Outro Lado da Tela


Do outro lado da tela tem alguém que de verdade vive, que respira, corre e chora, que anda, vê e grita, alguém que enfurece e vibra de alegria, alguém que deseja o bem e o mal dependendo de seu estado de humor. Alguém que quita dividas, e faz novas, que reclama, declama e clama. Que solicita, que esqueci e que busca. Alguém que de verdade existe, não vive de falsetas, de frases, de conceitos e impulso, talvez as vezes sim, e talvez as vezes não.

O que somos hoje com esta grande demanda de tecnologia?
O que fomos ontem quando este luxo era para poucos?

Deixa eu checar meus e-mails quando na verdade você queria dizer de verdade: deixa eu checar minha redes sociais! :)


Quantas vezes você trocou de celular porque o antigo não tinha a função de enviar e receber e-mails, bluetooth para receber fotos e músicas, funções incríveis. super memória e ainda, um compacto computador com GPS integrado?

São muitas funcionalidades em um só aparelho, porque ter apenas 1 (um) se podemos além disso ter ainda um Iphod, Iped, Aipim e ‘’Ai’’ qualquer coisa tecnológica ai?
Podemos ter um computador em casa, um no trabalho, um social, e um para eventos de gala, uma maquina fotográfica, outra menor, e uma micro para captar todos os momentos bons que nos permitimos lembrar. 
Podemos clicar, reclicar, re-re-re-Copiar e ainda compartilhar qualquer frase, texto, aviso, pensamento, depoimento, frases, letras, símbolos, etc!!!
Podemos moldar o que somos a partir do que queremos que seja moldado;
- Eu quero que eu seja assim a partir de agora. E quero !
- Só quero que saibam disto de mim, e que penso isto, e que sou assim tão legal que vão querer me adicionar.

É como pode ver, você não conquista amigos, fãs, admiradores, e pensadores incomuns, você ADICIONA pessoas em sua vida, a fim de qualquer coisa que seja do seu interesse. E estas pessoas por sua vez, fazem o mesmo, e vai aumentando NETWORK virtual. 
Quem sabe algum dia você esbarra com este fulano legal de idéias geniais (vindas do Google), inteligente por demais da conta sô! Ou sei lá, vai que este desconhecido torne seu cliente, melhor amigo e até padrinho do casamento de sua prima? Não vamos tão longe assim, você vai esbarrar com ele na catraca do ônibus ambos  indo ao centro da cidade, um para estudar alemão e outro indo comprar cueca box.

É a gama de possibilidades que essa vida virtual criada por nós nos dá, é tudo na base do ‘’ quem sabe vai que dá ‘’ e no ‘’ eu compartilhei que vai dar certo ‘’ basta viver no mundo do  ‘’ eu espero que aconteça ‘’ e alimentando expectativas positivas.

O imediatismo que esta rede tecnológica/virtual de informações ofereci a principio é interessantemente boa, e benéfica para empresas, institutos de ensino, e até para segurar teus filhos em casa. Ajuda a filtrar informações, arquivá-las, compactá-las e adicionar mais ainda. Mas claro, tudo tem seu lado underground hell  em que nos deixamos levar em conta a tanta facilidade e as informações peculiares como por exemplo a atualização da vida de falseta que outro criou, ou o que tu fez de punk para ver se dá para deletar e editar e adicionar mais gente cool no teu Facebook, Orkutbook, Twitterbook, qualquer coisa book virtual que tu ter.
E de mentirinha vai deixando o que é de sua responsabilidade fazer para depois, e vai dando uma   ''check-adinha'' aqui, outra ali nas suas redes sociais de informações instantâneas, criando novas amizades de verdadeirinha.

Que legalzinho, que inho-inho, que tudo inho, sinceramente eu não sei o que seria pior: o fato de estar enquadrada junto a essa massa toda ou se eu não saberia sobreviver sem tudo isso. Porque sou para cada meio social alguém diferente do que acho que sou para mim, e tento de alguma forma transpassar o que penso que realmente sou, e acho que todos que estão nessa, também pensam e fazem o mesmo que eu, e o que seria de todos (de novo) nós se esse sistema desse um Offline em tudo?

Não sei, mas me passa uma vaga impressão de que esse índice de desemprego no Brasil não tenha de fato diminuído, e que essa tal crise no exterior não tenha de fato afetado a vida dos milhões de habitantes, e de nada do que me andam passando com informativos são totalmente reais, nem se quem eu conheço de verdadeirinha na internet me considera interessante, e nem se mensagens de – te amo – são com toda a sinceridade, nem que shampoos auxiliam no crescimento dos fios, as vezes acho que tudo tem sua condição, pareci que existe no final de cada situação aquelas malditas letrinhas em tamanho ultra reduzido dizendo quais são as taxas e quanto de juros vou ter que pagar por isso.

Por este e por todas as duvidas cotidianas que temos, creio que criamos esses condicionamentos de rotina da qual de verdade não faz parte de nós, porque na real mesmo, quando saímos da cadeira, vivemos uma vida de verdade, passamos uma raiva de verdade, criticamos de verdade, nos vigiamos de verdade, ou seja, o real é tudo o que você faz fora do que você diz fazer.
É o que você faz com ação que diz o que você é, talvez pensaremos o seguinte: - e quem passa quase que a vida inteira de frente a um computador e logo que sai ainda tem que prestar conta de sua vida em celular, e os aipim da vida? 

E eu logo respondo, então filho, é isso que você está vivendo, uma vida de verdadeira mentirinha, porque convenhamos, eu e você vê muito por aí – na internet – frases de ‘’ sou forever alone ‘’ poxa vida, que merda é essa que todos agora vivem rodeados de gente virtual e se sente coincidentemente sozinhos? É muita gente só compartilhando do mesmo sentimento!
Sai dessa vida !!!

E parece ainda que ao invés de procurarem usar este incomum comunitário para mudar esta situação, não, simplesmente acentuam cada vez mais e mais para uma porrada de gente compadecer ou dizer, poHá eu também me sinto assim 24 horas online da minha vida.

Agora falando sério, você acredita que é um ser tão interessante assim para todos que dizem ser seus ‘’new’’ amigos, admiradores e futuros namorados virtuais?
Se você os conhecesse em alguma situação corriqueira, acha que te acharia uma pessoa tão legal assim?
Você é o que diz ser?
E a pergunta final deste texto, você conseguiria ser tão legal como quer que os outros te achem sem auxilio de aparatos tecnológicos, já que uma maquiagem ou uma camiseta gola pólo de marca resolveria tudo se lhes faltasse este primeiro quesito?


Seja como o Coragem '' o cão covarde '' que faz o contrário do contrário que é justamente se safar  dos perigos.

Alguém conseguiria te chamar de fofo(a), legal, bacana, ou diria aquela mentira universal que você é tão especial porque você é diferente de todo o mundo – que pretensão ser diferente de mais de 7 bilhões de pessoas + os que nasceram neste final de semana ¬¬

No final das contas as pessoas, estas que são chamadas de animais racionais, vivem sob intermédios de ganhos materiais, concepções universais, e redes sociais – era para rimar falows mano véi e que no fundo somos quando estamos do outro lado da tela, autores de um conto de fardos que criamos como meio de fantasiar o que realmente somos e vivemos, porque ninguém te acharia fofo se você dissesse do nada que está com vontade de desejar o mal a outrem, nem te chamaria de inteligente se você afirmasse que não sabe tudo sobre teoria do big bang, nem te achariam culto(a) se você dissesse oralmente ‘’ nóis  foi ‘’ – nóis vai – nóis qué’’ e a ‘’gente fomos ‘’.

Se assumíssemos que não somos tão éticos quanto queremos que os outros sejam, que não nos importamos tanto com o futuro político de nossa nação, que não temos um pingo de compaixão com aquele cachorro sardento que puxou seu lixo para comer papel higiênico usado, e que você detesta pensar em guardar o óleo, baterias, plástico e vidros e pilhas, papelão e outros breguetinhos usados para a coleta de lixo seletiva devidamente embalados, se por algum motivo assumíssemos que não somos tão leais, e que de quando em vez desejamos e perdemos o interesse pela pessoa querida, e uma porrada de coisa aí, se fossemos mais realistas, quem sabe o mundo seria mais lixo que já é menos injusto, e não ouviríamos e nem leríamos tantas queixas iguais para pouca falta de mudança de decisão.

Eu acredito que a força da ação está em admitirmos para nós mesmos que somos fracos e que encobertamos frustrações usando subterfúgios como estes que descrevi no inicio.
 As escolhas diárias que fazemos é a conseqüência do amanha que teremos e claro, observar que esperar dos outros o que só você pode oferecer para si mesmo - 
 ( atenção, educação, força de vontade, dinheiro, etc. ) só lhes trará amargura.

Se você não for tão interessante assim na vida do outro lado da tela, comece – se quiser – a repensar se é quem você diz ser por aí. E se esse povo realmente se importa com você, pois é muito fácil ter mil amigos de verdadeirinha se quando você desprega a bunda da cadeira quem lembra de você é a sua caixa de correio com milhares de contas para pagar e mensagens postais de políticos desejando feliz dia das mulheres – que mandou para o bairro inteiro.

Não se esqueça, você não é toda essa coca cola toda que o efeito de imagem faz, nem com essas poses com torcicolo em fotos, nem com esse bico de juriti, nem com esses aparatos provenientes do camelodromo com desconto e sem nota fiscal e nem com esse cabelo de chapinha do salão da esquina, as pessoas QUE gostam de você sabe e convive com o seu pior, te aguentam até com ADP Ataque de Pelanca - como tu é de verdade, como você conversa, como você se estressa, e como você os quer bem e até quando não quer!

Esses que vivem te peitando todos os dias, ou te amam pelo que é, ou querem ser como você.
Já estes outros que estão vivos apenas quando estão online e ponto, são em sua maioria os que querem ganhar a mesma atenção que quer dar. Que te amam uma hora ou outra e que por obra do além somem, ou perdem o interesse na velocidade da luz, na mínima achou alguém com mais efeitos photoshop que você, ou que vivem como se estivessem no clipe da Ke$ha.
 O preço disso é sempre a decepção.

Fique de olho, pois do outro lado da tela, você é apenas normal. 
See You Later \o_