terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Você Não É Um Fardo



Segura que o Planeta é de você!



Tem dias que eu me pergunto, se vale a pena mesmo fazer o que faço todos os dias, se tudo que me comprometo fazer está de acordo com o que almejo alcançar, e consequentemente caio em um mau humor daqueles.

Pareci que o muito que fazemos é pouco para o mundo, e o mundo rebate o que fizemos para que entendermos que tudo que fizemos foi nada para nós mesmos.

Sim, foi tensa essa frase ai, mas na minha mente tem uma logica, vamos ver se bate na sua logica:

Quando você acorda todos os dias, faz as mesmas coisas, vive a mesma rotina que simplesmente, você escolheu!

Quando você diz que algo é assim (ou assado) é porque todos dizem ser divertido, e você faz parte daquilo onde de mentirinha está concluindo; - ohhhh, eu estou me divertindo!

O que na verdade não está!

Devo ter dito isto em vários textos que postei (sou insistente ou tenho perca de memoria textual), nem que tenha sido em uma frase apenas, que fazer o que desagrada a nós mesmos é totalmente ilógico.

Eu sou a primeira a queixar do que faço, e ainda sou a primeira a colocar defeito no que faço, deve ser por isso que mudo de rumo igual vento. Porque não consigo me manter em um padrão que me chicoteia de criticas, e eu não me suporto criticar, e assim também o faço, porque prefiro que seja eu a primeira a ver um defeito em mim.

Dependendo da situação, eu prefiro não esperar que outros me alertem do erro que faço. Já sei previamente em que buraco eu estou afundando meu pé. Deve ser atitudes de pessoas que pensam demais ou que não pensam nunca, penso eu!

A verdade é que desde que aprendi a usar como resposta – camuflagem, o TALVEZ na minha vida, consegui burlar outras situações que me colocassem em risco.

Se alguém pergunta: - você quer isto ? E eu respondo com um, - talvez, acho que sim.

É porque eu não sei ao certo o que isto me faria futuramente, é uma resposta incerta de uma pessoa que não tem certeza nenhuma do que quer da vida. Ou das situações que a vida dá.

A verdade é que se eu soubesse de alguma coisa, fosse centrada o suficiente para poder colocar leis, eu viveria numa caverna, sem direito a energia e internet. Lá eu ditaria regras, e ninguém mais poderia pensar em não querer segui-las, até porque, eu viveria só, afinal ninguém está disposto a viver pelas regras dos outros.

Me diz, se existe este que diga que moveria os céus para ver outrem feliz ? E se me responder que sim o que esta pessoa fez para que isto acontecesse! – não fez nada. Exatamente isto, nada, você só foi fruto do adubo magico que te faz crescer em esperanças, dar frutos, mas com sem gosto. Iguais aquelas maças vermelho escuro, que é bonita por fora e amarga por dentro .

Existe um padrão de pensamento de pessoas frustradas, geralmente elas tentam justificar seus erros usando a vida dos outros, eu usei bastante e de vez em quando uso o fato do meu querido pai ter me abandonado, deixado brotar esperanças de dias alegres, onde junto poderíamos fazer tudo que de divertido não fizemos por conta dele trabalhar fora ( viajando sempre ) mas depois... depois de lamurias, injurias, descrenças eu penso que meu pai me ensinou algo que jamais esquecerei, - se você ama muito alguém, não espere nada dele. Não aguarde com a mão no coração, não derrame lagrimas, não diga que tudo vai ser diferente quanto a dita pessoa aparecer. Porque na verdade você nunca será um fardo na vida de quem quer que seja.

O único ser humano capaz de se preocupar o bastante para perder noites de sono em prantos e esperança é sua mãe. E ainda sim, eu tenho minhas duvidas, pois atualmente o amor de mãe anda balançado em relacionamentos findados em carência afetiva e casais que não se amam o suficiente para respeitar a individualidade do outro. Mães por acaso, mães por falta de opção, mães que não são mães, mães que desconhecem o significado do amor.

Então leitor, não aposte sua vida na vida de ninguém, você sempre irá depender de alguém claro, vai depender dos seus pais, dos seus amigos, dos seus patrões, do banco, dos correios, da fatura no final do mês, mas isto não significa que você seja um fardo na vida do outro.

É um doce engano achar que tudo se resume em dependências mentais, achar que alguém se importa e contar com isto da mesma forma que você usa o outro como fardo, depois quando não obtem oque gostaria, acaba entrando num amargo desespero e arrependimento.

Feliz é aquele que faz muitos felizes, mas não deita pensando se os outros agradeceram por isto. Você já lei algo parecido em varias frases clichês pela net que eu sei. Você só se esqueci de lembrar disto quando desconta nos outros sua irá.

Alias, me diz se eu consigo olhar com bons olhos atitudes que são temporárias nos outros, incertas e com pouca solidez? Atitudes superficiais que geralmente me leva a ficar em estado de banho Maria, o tempo disponível que tenho é o agora, suficiente o bastante para produzir muito coisa, decidir e planejar a curto prazo situações que vão ser edificantes na minha vida.

É impossível alguém afirmar que é 24horas interligado no outro se não tem disponibilidade de ficar 10 minutos do seu precioso tempo em função de outra pessoa. Dai vem o meu comentário inicial, porque é que eu me mato para fazer das minhas doze horas diárias uma agenda pessoal para terceiros?

É por isso que nunca me encontrei, porque se eu soubesse para que vim ao mundo, eu não estaria no estado atual, mas como tenho consciência de que as minhas escolhas me levaram até este estado, eu vou arcar com as consequências das minhas escolhas.

Pessoas não esperem serem fardos dos outros: não acorde nem se deite pensando que foi a diferença sua, ou responsabilidade do outro em se preocupar em dar respostas. Pois, cabe a cada um buscar as suas respostas a questionamentos pessoais.

Bom, basicamente este é um daqueles textos que escrevo sem assunto principal, tem muitos ‘ euS’ é quase um superego, mas tudo bem, você entendeu a mensagem, se não problema seu,
serve de monologo, como sempre.
Um texto qualquer, sinta se a vontade de interpreta-lo como quiser.

Hasta La Vista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário